Os Aliados da Humanidade

Featured

UMA MENSAGEM URGENTE

RELATIVA À PRESENÇA EXTRATERRESTRE NO MUNDO DE HOJE

 

….Há mais de 20 anos atrás, um grupo de indivíduos oriundos de vários mundos diferentes se juntaram num lugar discreto dentro do nosso sistema solar, perto da Terra, ah_1_portcom o objetivo de observar as visitas extraterrestres que estão ocorrendo no nosso mundo. Do seu ponto de observação secreto, eles foram capazes de determinar a identidade, a organização e as intenções dos que visitam nosso mundo, e de vigiar suas atividades. Este grupo de observadores se chamam os “Aliados da Humanidade”.

Eis o relatório deles.

 

As quatro perguntas fundamentais sobre a presença extraterrestre no mundo de hoje:

O que está acontecendo?
Por que está acontecendo?
O que significa?
Como podemos nos preparar?

 

OS ALIADOS DA HUMANIDADE, Livro 1 em PDF

 

Preâmbulo

Já é bastante raro achar um livro que muda a sua vida, mas é muito mais extraordinário encontrar uma obra com o potencial de ter um impacto sobre a história humana.

Quase quarenta anos atrás, antes que houve um movimento para o meio ambiente, uma mulher corajosa escreveu um livro provocador e polémico que mudou o rumo da história. O “Silent Spring” (Primavera Silenciosa) de Rachel Carson gerou uma consciência mundial sobre os perigos da poluição do meio ambiente e suscitou uma resposta activista que perdura até hoje. Entre os primeiros a declarar publicamente que o uso de pesticídios e de toxinas químicas constitui uma ameaça para toda a vida, ela foi ridiculizada e aviltada no começo, mesmo por seus colegas, mas no final ela foi considerada uma das vozes as mais importantes de 20mo século.”Silent Spring” é ainda visto como a base do ambientalismo por muitos.

Hoje, antes que há a consciência prevalecente do público duma uncursão extraterrestre em nosso meio, um homem igualmente corajoso – um ensinador espiritual previamente oculto – apresenta-se trazendo um comunicado extraordinário e perturbador de além da nossa esfera planetária. Com Os Aliados da Humanidade, Marshall Vian Summers é o primeiro líder espiritual de nosso tempo a declarar inequivocamente que a presença não solicitada e as ações clandestinas de nossos “visitantes” extraterrestres constituem uma profunda ameaça à liberdade humana.

Enquanto no começo, como Carson, Summers encontrará certamente a zombaria e descrédito, ele poderia no fim ser reconhecido como uma das vozes as mais importantes do mundo nas áreas da inteligência extraterrestre, da espiritualidade humana e da evolução da consciência. Do mesmo modo, Os Aliados da Humanidade pode acabar sendo crucial para assegurar o futuro mesmo da nossa espécie – não somente nos acordando às mudanças profundas de uma silenciosa invasão alienígena, mas também suscitando um movimento sem precedente de resistência e de capacitação.

Enquanto as circumstâncias da origem desta matéria explosivamente polêmica possam constituir um problema para alguns, a perspectiva que ela representa e a mensagem urgente que ela comunica exigem nossa consideração mais profunda e nossa resposta mais resoluta. Aqui estamos todos bem plausivelmente confrontados com a asserção que as aparições crescentes de OVNIs e os outros fenômenos relacionados são sinais de nada menos que uma intervenção sútil e até agora sem oposição, por forças extraterrestres que tentam explorar os recursos da Terra exclusivamente para seu próprio proveito.

Como reagir adequadamente a uma reivindicação tão perturbadora e ultrajante? Devemos ignorar ou descartá-la de primeira, como fizeram muitos dos detratores de Carson? Ou vamos investigar e tentar compreender exatamente o que está sendo oferecido aqui?

Se escolhemos investigar e compreender, aqui está o que acharemos: um exame cuidadoso nas últimas decadas das pesquisas mundiais na atividade dos OVNIs e de outros fenômenos aparentemente extraterrestres (por exemplo raptos e implantes por alienígenas, mutilações de animais, e mesmo “possessão” psicológica) rende amplas provas em favor da perspectiva dos Aliados; de fato, as informações contidas nos discursos dos Aliados clarificam formidavelmente assuntos que têm deixado os pesquisadores perplexos durante anos, dando conta de muitas provas misteriosas mas persistentes.

Uma vez que temos investigado estes assuntos e somos convencidos que a mensagem dos Aliados não é somente plausível mas de peso, então o quê? As nossas considerações nos levarão inevitavelmente à conclusão inelutável do que a nossa situaçaõ difícil de hoje tem paralelas profundas com a incursão da “civilização” europeia nas Americas no começo do 15mo século, quando os povos indígenas não foram capazes de compreender e de reagir adequadamente à complexidade e aos perigos das forças visitando suas costas. Os “visitantes” vieram em nome de Deus, exibindo uma tecnologia impressionante e pretendendo oferecer um modo de vida mais avançado e mais civilizado. (É importante tomar nota do que os invasores europeus não eram o “mau incarnado” mas apenas oportunistas, deixando atrás deles um legado de devastação não intencionada.)

Aqui está a questão: a violação radical e generalizada das liberdades fundamentais que subiram os Nativos Americanos em seguida – incluindo a dizimação rápida de sua população – não constitui somente uma imensa tragédia humana, mas também uma poderosa lição no assunto para nossa situação atual. Desta vez, somos todos o povo nativo deste único mundo, e a menos que consigamos coletivamente convocar uma resposta creativa e unificada, nossa sorte poderia ser parecida. Exatamente esta realização é precipitada pelos Aliados da Humanidade.

Todavia, este é um livro que pode mudar vidas, porque ele ativa uma profunda chamada interior que nos lembra de nosso propósito em estarmos vivos neste momento da história humana, e nos leva cara a cara com nada menos que nosso destino. Aqui somos confrontados com a mais desagradável realização de todas: o próprio futuro da humanidade poderia bem depender do modo que reagimos a esta mensagem.

Enquanto Os Aliados da Humanidade é profundamente admonitório, não há incitação ao medo ou à maldição e trevas aqui. Em vez disso, a mensagem oferece esperança extraordinária no quê agora é uma situação extremamente perigosa e difícil. A intenção óbvia é de preservar e de fortalecer a liberdade humana, e de catalisar ume reação pessoal e coletiva à intervençaõ alienígena.

Apropriadamente, Rachel Carson identificou uma vez de maneira profética o próprio problema que impede a nossa capacidade de responder a esta crise atual: “Não somos ainda bastante maduros,” ela diz, “para nos considerarmos como uma parte minusculíssima de um universo vasto e incrível.” É claro, faz muito tempo que precisamos de uma nova compreensão de nos mesmos, de nosso lugar no cosmos, e da vida na Comunidade Maior (o grande universo físico e espiritual no qual estamos emergindo agora). Felizmente, Os Aliados da Humanidade serve como uma porta para um conjunto surpreendemente volumoso de ensinamentos e práticas espirituais que promete inculcar a maduridade requisita na espécie com uma perspectiva que não é nem presa à Terra nem antropocêntrica, mas em vez disso é enraizada em tradições mais velhas, mais profundas e mais universais. No final, a mensagem dos Aliados da Humanidade desafia quase todas nossas noções fundamentais da realidade, nos dando ao mesmo tempo nossa mais grande oportunidade para avançar e nosso mais grande desafio para sobreviver. Enquanto a crise atual ameaça nossa autodeterminação como espécie, ela pode também fornecer um fundamento bem necessário para levar a raça humana à união – algo quase impossível sem este contexto maior. Com a perspectiva que Os Aliados da Humanidade nos oferece e o grande conjunto de ensinamentos representados pelo Summers, a imperativa e a inspiração nos são dadas para que nós juntemos-nos num entendimento mais profundo a fim de servir a evolução futura da humanidade.

Em seu relatório para a resenha do Time Magazine das 100 vozes mais influenciais do 20mo século, Peter Matthiessen escreveu sobre Rachel Carson: “antes que houve um movimento para o meio ambiente, houve uma mulher valente e seu livro muito valente.” Em alguns anos, talvez poderemos dizer do mesmo jeito de Marshall Vian Summers: antes que houve um movimento humano de liberdade para resistir à Intervenção extraterrestre, houve um homem valente e sua mensagem muito valente, Os Aliados da Humanidade. Que nossa resposta seja mais rápida, mais decisíva e mais unida desta vez.

Michael Brownlee

Jornalista